Família Salesiana se confraterniza em Lorena
06/27/2017
Obra Social São João Bosco comemora 108 anos de história
06/27/2017

Peru – Padre Ernesto Sirani: “sonhava gastar a minha vida pelos pobres!”

O nome do P. Ernesto Sirani ressoa nas alturas dos Andes do Peru. Numa bela e emocionante entrevista, o P. Sirani conta: “tive a felicidade de conhecer o P. Luigi Melesi, que voltava da primeira expedição ‘Operação Mato Grosso’ em 1967 e muitos jovens que partiam para as missões do Brasil, Equador e Bolívia. Falavam da própria experiência com alegria, e o meu coração entusiasmava-se ao ouvi-los. O contato com os pobres mudara o modo de pensarem! Assim, decidi partir missionário… Sonhava gastar a minha vida pelos pobres!”

Como nasceu a tua vocação?
Sou filho de pais agricultores da região de Brescia. Perdi meu pai aos 7 anos num evento trágico que ainda hoje continua impresso no meu coração. Desde muito pequeno frequentava o ambiente dos Salesianos em S. Bernardino, casa do aspirantado de muitos jovens que desejavam ser Salesianos. Eu os conheci em 1964. Todas as quintas-feiras levavam os garotos para um passeio e passavam perto da minha casa. Eu via os garotos e os Salesianos muito felizes e logicamente também eu me sentia muito feliz, porque me davam algumas balas.

Como decidiste ser missionário?

Aos 35 anos, na plenitude das minhas forças, sonhava gastar a minha vida pelos pobres. Agora, sou pároco de 15.000 almas na paróquia de São José a 2.750 m de altitude no vale de Huaylas.

Que trabalho realizas nas comunidades missionárias?

Tenho 30 comunidades dispersas pelas bordas das duas Cordilheiras Branca e Negra; algumas comunidades vivem a 3.400 m de altitude. O espetáculo é de tirar o fôlego quando céu está límpido, mas o espetáculo mais comovente é o dos campesinos, agricultores, debruçados sobre a terra, em perene luta, a tirar dela o necessário para viver.

Qual a tua missão primária?

Minha missão é levar a fé aos jovens e ao meu povo. A cultura está mudando rapidamente. Os jovens sonham estudar em Lima, a Capital. Na montanha ficam os pobres, as crianças, e o nosso oratório que segue as pegadas de Dom Bosco e nos recorda que o mais importante da vida é: “salvar a própria alma ajudando os pobres”.

ANS – Ancash