Apóstolas da Sagrada Família
03/22/2013
Irmãs Missionárias de Maria Auxiliadora
03/22/2013

Irmãs Cáritas de Jesus

A Congregação das Irmãs Caritas de Jesus foi fundada em 15 de agosto de 1937, na cidade japonesa de Miyazaki, pelo padre italiano Antonio Cavoli. O nome Caritas, em latim, significa “Amor”.

 1.    Quem foi P. Antonio Cavoli?
O Padre Antonio Cavoli foi escolhido e preparado por Deus para assumir em sua vida uma missão e o grandíssimo ideal da caridade. Nascido no dia 4 de agosto de 1888 em San Giovanni in Marignano, filho de fervorosos lavradores católicos, aos 13 anos o pequeno Antonio ingressou no seminário de Rimini, ordenando-se sacerdote em 1º de maio de 1914.

De 1915 a 1919, durante a Primeira Guerra Mundial, Cavoli serviu no exército italiano como capelão, atendendo aos soldados feridos nas trincheiras, ministrando-lhes os sacramentos e assistindo-os na extrema miséria dos momentos derradeiros. Em meio a este cenário angustioso, nasceu nele a vontade de ser missionário e trabalhar pela salvação das pessoas.

2.    P. Cavoli no Japão e as primeiras obras caritativas
Retornando da guerra, a vocação missionária do Padre Cavoli levou-o a ingressar na Congregação Salesiana, em Roma, de onde partiu para o Japão em 1925, integrando um grupo salesiano sob a direção do Padre Vicente Cimatti. Estabeleceu-se em Miyazaki, na ilha de Kyushu, onde permaneceu como pároco da igreja local por 12 anos, desenvolvendo a sua obra de caridade e transmitindo o amor de Deus às pessoas.

Em 1932, mesmo enfrentando uma severa crise econômica, Padre Cavoli, com muita confiança na Divina Providência, lançou o gigantesco plano de construção de um asilo para abrigar crianças abandonados, doentes e idosos. Naqueles tempos difíceis isso soava como um projeto dos sonhos, mas nesse mesmo ano teve inicio a construção de um asilo para idosos e um orfanato, que foram concluídos com a ajuda de benfeitores italianos e japoneses, e principalmente com a sua invencível fé na Providência de Deus.

A obra se tornava não somente uma propaganda da caridade dos cristãos – em um país majoritariamente xintoísta e budista -, como motivo cada vez maior de orgulho para a Prefeitura de Miyazaki. Logo tornou-se alvo de visitas das autoridades japonesas, recebendo até um representante do Imperador Hiroito.

3.    Nasce a idéia de fundar uma Congregação religiosa
Com o crescimento da obra e do número de abrigados, crescia a necessidade de uma base econômica mais estável e também de maior número dos voluntários para o apoio operacional da obra. Nessa mesma época o Papa Pio XI promulgava a Encíclica “Rerum Eclesiae”, sobre a fundação de Congregações Religiosas Nativas.

Monsenhor Cimatti, que há muito tempo alimentava a idéia de criar uma congregação para levar avante o trabalho do Padre Cavoli, inspirou-se na encíclica papal para aconselhá-lo a fundar uma congregação religiosa feminina. Após profundo discernimento e oração, Cavoli aceitou a sugestão, proferindo estas palavras: “Pela tua Palavra, lançarei a rede.” (Lc 5,5 ).

4.    Nasce a Congregação Caritas
Padre Cavoli convidou as senhoras católicas que o ajudavam em seu trabalho a iniciarem a formação para a vida religiosa. Entre as que muitas que aceitaram seu convite estava a futura Irmã Maria Taki Ossafune, a quem Deus também reservara um importantíssimo papel na futura congregação.

Em 15 de agosto de 1937 a nova congregação foi oficialmente reconhecida pela Igreja de Roma, e o Padre Cavoli deu-lhe o nome de Congregação das Irmãs da Caridade (Caritas) de Miyazaki, que em 2009 receberia sua denominação atual de Irmãs Caritas de Jesus.

5.    As primeiras dificuldades
Ao romper a Segunda Guerra Mundial, em setembro de 1941, a Congregação ressentiu as suas conseqüências: as correspondências foram interrompidas e não havia mais meios para receber auxílio financeiro do exterior. Padre Cavoli foi pedir o auxílio à Prefeitura, sendo-lhe negado qualquer tipo de auxilio.

Padre Cavoli ficou totalmente desnorteado e ao mesmo tempo revoltado, porque quando vinham autoridades de outras regiões, os prefeitos e os governadores infalivelmente os levavam à Obra Social, vangloriando-se dela. Entretanto, eles a haviam abandonado logo que a situação ficará difícil…

6.    P. Cavoli, um lutador invencível
Mas, quem disse que o Padre Cavoli fechou a Obra Social? Com senso de dever e muita criatividade, ele e as Irmãs Caritas logo partiram em busca de outros recursos: inventaram fábricas de hashi (palitos de bambu), fábricas de chinelo, e até adquiriram um terreno na pequena aldeia de Tano para cultivar arroz e outros produtos, além de criar vacas leiteiras e galinhas. Apelaram para todos os meios heróicos que estivessem ao alcance para possibilitar a sobrevivência das crianças, dos doentes e dos idosos, sustentados pela fé e muita oração.

7.    Irmãs heróicas
Pelos excessivos trabalhos e sofrimentos, unidos à má alimentação e à falta de descanso, seis Irmãs tiveram morte prematura; uma contraiu tifo na assistência aos doentes e outras faleceram contraindo tuberculose. Padre Cavoli escreveu: “Nunca vi e nem sequer poderia antes imaginar mortes tão tranqüilas, resignadas, desejosas de voar para as alegrias eternas, para receber o prêmio bem merecido de uma vida heróica de trabalho, sacrifício e humildade, amparada pelo ideal da caridade. Penso que sempre do Céu continuarão a proteger a obra pela qual se consumiram”.

8.    A Congregação se expande pelo Japão e pelo mundo
Aos poucos, e com o fim da guerra, o trabalho das Irmãs Caritas foi ganhando nome na sociedade e na Igreja, recebendo vários convites para dirigir outras obras sociais. Inicialmente, a pedido do bispo de Osaka, foi aberta uma obra nessa cidade, no dia 17 de maio de 1946. E, assim, ano após ano, novas obras foram se acrescentando, em Tóquio, Beppu, Miyazaki, Yokohama, Kofu, Matsumoto, Oshima…
Sentindo-a preparada, Padre Cavoli confiou à Congregação a missão de ir pelo mundo, aonde a Divina Providência indicasse, a fim de difundir a devoção do Sagrado Coração, como ele próprio fizera anos antes. Em 1956, pela primeira vez, as Irmãs cruzaram a fronteira e entraram na Coréia do Sul.

9.    A expansão nas  terras da América Latina
Em 1964 a Congregação chegou à América do Sul, inicialmente na Bolívia, depois no Brasil, e em seguida no Peru. Na Europa se fazem presentes na Itália e na Alemanha Ocidental, e, na Oceania, em Papua Nova Guiné e Austrália. Na última década chegaram às Filipinas e aos EUA. O sonho do Pe. Cavoli concretiza-se gradativamente com a bênção divina, espalhando a devoção e a caridade por todas as partes do mundo.

10. Adeus P. Cavoli, nosso querido pai
No dia 22 de novembro de 1972, ao 84 anos, após uma longa luta contra a doença, P. Cavoli partiu para a casa do Pai. A sua missão na Terra durou 46 anos e nove meses, missão esta de um verdadeiro santo, que diante de todos os desafios jamais perdeu a sua confiança no Sagrado Coração de Jesus, e nesta mesma fé tudo venceu, cumprindo a vontade do Pai.

A longa existência do Padre Cavoli, vivida com amor ardente nas alegrias e nos grandes sofrimentos, foi uma oferta contínua ao Sagrado Coração de Jesus. As sementes plantadas no terreno de Miyazaki, com a bênção de Deus cresceram maravilhosamente, produzindo belíssimos e maravilhosos frutos da caridade em várias partes do mundo.