Cruzeiro: alunos do INSA criam Boletim do Tempo e Jornal Salesiano
11/05/2018
Dança: Instintos Urbanos vence festival e garante vaga para o Mundial de Cancún
11/05/2018

Encontro Pan-Amazônico mostra rosto salesiano na Amazônia

Entre os dias 1 e 4 de novembro aconteceu em Manaus o Encontro Pan-Amazônico Salesiano, que teve como tema “O Sínodo nos interpela”, uma oportunidade para as inspetorias salesianas refletirem sobre os 125 anos de presença na região amazônica e também para atender a Igreja em preparação ao Sínodo da Amazônia, chamado pelo Papa Francisco para outubro de 2019 e que mostra a preocupação da Igreja sobre o modo de agir na região.

Estiveram presentes missionários representantes das Inspetorias de Campo Grande (Missão Salesiana do Mato Grosso), da anfitriã Manaus (Inspetoria São Domingos Sávio), bem como salesianos da Bolívia, Colômbia, Equador, México, Paraguai, Peru e Venezuela, além das Filhas de Maria Auxiliadora, leigos, jovens e representantes dos povos indígenas. Também participaram do encontro o conselheiro geral para a Animação Missionária dos Salesianos de Dom Bosco, Pe. Guillermo Basañes e a conselheira geral para a Animação Missionária das Filhas de Maria Auxiliadora, Ir. Alaíde Deretti. Representando a Inspetoria Salesiana de Nossa Senhora Auxiliadora, São Paulo, participou o Pe. Tiago Eliomar, coordenador do Serviço de Animação Missionária nos âmbitos nacional e inspetorial.

O encontro foi organizado em três eixos: passado, presente e futuro, método próximo do proposto para o Sínodo da Amazônia que utiliza a nomenclatura Ver-Discernir-Agir.

No primeiro dia o salesiano indígena Tuyuka, Pe. Justino Sarmento Rezende, que também é membro da comissão sinodal, apresentou do Documento Pré-Sinodal e a visão indígena salesiana sobre o Sínodo Pan-Amazônico. “As nossas Congregações continuamente refletem sobre a nossa missão no mundo, com as assembleias inspetoriais, capítulos inspetoriais e capítulos gerais; procuramos estar interligados aos documentos da Igreja. Mas é importante nesse momento entrar no espírito do Sínodo Pan-Amazônico: Amazônia – novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral. Nós temos que vestir/revestir-se da Amazônia como um lugar ecológico, eclesial, antropológico, teológico, filosófico, pedagógico e carismático salesiano. Nós salesianos e salesianas temos um desafio de, a partir do carisma salesiano, apontar novos caminhos para a Igreja, com o rosto amazônico, rosto indígena, rosto juvenil, rosto popular; nos métodos de evangelização, nos conteúdos e práticas de evangelização e educação”, afirmou durante a palestra.

A dinâmica do segundo dia foi de palestras seguidas trabalhos em grupo. A palestra da manhã, conduzida pelo Pe. Juan Botasso sobre “A missionariedade dos salesianos nos 125 anos”, olhando para o passado. À tarde, o professor José Juncosa conduziu uma análise sobre a situação sócio-política, cultural e religiosa da região.

O terceiro dia de encontro foi dedicado à interação com a ecologia amazônica. Os participantes foram até o Encontro das Águas, onde as águas escuras do Rio Negro convergem com as águas mais claras do Rio Solimões. No caminho, celebração eucarística e palestra sobre os ministérios, o protagonismo de uma Igreja Local. Durante o passeio também houve visita a uma aldeia da tribo Tuyuka.

No quarto e último dia de encontro foram trabalhadas as perspectivas para o futuro, com um olhar juvenil, respondendo a pergunta que regerá o Capítulo Geral: “Quais os salesianos para os jovens de hoje na região amazônica?”. A assessoria ficou por conta do coordenador do eixo formação da REPAM – Rede Eclesial Pan-Amazônica, Ir. João Gutemberg, que também falou de forma mais específica sobre o jovem amazônico e a educação à luz da Laudato Si, encíclica do Papa Francisco sobre o cuidado com a casa comum, sobre o presente e o futuro do jovem amazônico, apresentando boas práticas. À tarde, divididos por inspetorias, os participantes apresentaram proposições em vista do Sínodo e proposições para a própria inspetoria.

“Para nós da equipe de nacional de Animação Missionária foi um momento especial de um olhar em conjunto para a questão que o Sínodo nos interpela, já foi um projeto concreto de união, olhando juntos, porque a partir do ano passado nós retomamos essa equipe que estava um pouco adormecida já há uns bons anos enquanto articulação nacional e se Deus quiser outros projetos em conjunto nós também continuaremos”, comentou o Pe. Tiago. “Foi um momento denso, entusiasmante para os tantos misionários que lá estavam. Nas avaliações que li haviam proposições de se termos isso com mais constância, então foi um sucesso, graças a Deus”, completou.

Ao final do encontro os participantes redigiram uma mensagem que segue na íntegra:

Mensagem dos participantes do Encontro Pan-Amazônico Salesiano à Congregação dos Salesianos de Dom Bosco

Os Salesianos de Dom Bosco que realizam sua missão em território amazônico do Brasil, Equador, Peru, Venezuela e Paraguai, em colaboração com as Filhas de Maria Auxiliadora, representantes das Universidades Salesianas de Quito e Campo Grande, diáconos permanentes shuar-ashuar, agentes de pastoral, dirigentes indígenas, religiosas missionárias Lauritas e Franciscanas de N.S. Aparecida.

Enviamos a seguinte mensagem:

Agradecemos a Deus pelos fecundos 125 anos da presença salesiana em território amazônico. Realizou-se um imenso bem, reconhecido pelos povos amazônicos e pela Sociedade Civil.

Constatando que por um lado, a missão cresceu com novos desafios, por outro lado diminuíram as forças de pessoal missionário em tais territórios.

Desejamos e solicitamos que nossa missão, neste lugar tão significativo hoje para a Igreja e para a humanidade, não se enfraqueça, mas se revigore.

Os povos e particularmente os jovens amazônicos nos esperam em suas comunidades, ricas de tradições e valores, para que os filos e filhas de Dom Bosco continuem a anunciar a Boa nova e a acompanhá-los em seus desafios.

Os jovens amazônicos também nos esperam nas grandes cidades, donde muitos jovens indígenas emigram, unindo-se a outra multidão de jovens, vulneráveis em sua dignidade, em sua identidade e em seu caminho de fé.

Estamos convencidos que um espírito missionário amazônico generoso será fonte de renovação para nossa vida salesiana.

Que Maria Auxiliadora, a Beata Maria Troncatti, Pe. Rodolfo e Simão Bororo, intercedam para que a missão salesiana, de rosto amazônico, se faça cada vez mais viva e fecunda.

Participantes,
Manaus, 04.11.2018

Anderson Bueno com informações da ISMA – Fotos: ISMA