António de Almeida Lustosa
05/06/2013
Augusto Arribat
05/06/2013

Atílio Giordani

Início do Processo: 21 – 11 – 1994
Conclusão: 25 – 01 – 1995

Atílio Giordani nasceu em Milão no dia 3 de fevereiro de 1913. Distingue-se desde os primeiros anos por sua grande paixão pelo Oratório e, já aos dezoito anos, pela sua dedicação aos jovens oratorianos. Por decênios é catequista diligente e animador constante e genial, com muita simplicidade e serena alegria. Cuida da liturgia, da formação, do jogo, do tempo livre, das férias dos seus jovens, do teatro. Ama a Deus com todo o coração e encontra na vida sacramental, nas orações e na direção espiritual os recursos para a vida na graça. Durante o serviço militar que começa em 1934 e termina, com fases alternadas, em 1945 demonstra senso apostólico entre seus companheiros de arma. Emprega-se na indústria Pirelli de Milão onde também espalha alegria e bom humor, com o mais profundo senso do dever. Na própria família é um marido rico de grande fé e de serenidade, com uma desejada austeridade e pobreza evangélica em favor dos mais necessitados. Todos os dias é fiel à meditação, à Eucaristia, ao Rosário. Atento às vicissitudes de sua família (os três filhos já estavam no Brasil para um período de voluntariado missionário) decide ele próprio – de acordo com a sua Noemi – partirem juntos, marido e mulher, para partilhar totalmente a sua paternidade e a vocação dos filhos ao voluntariado. Também no Brasil ele continua a ser catequista e animador. Um dia, em 18 de dezembro de 1972, em Campo Grande, durante uma reunião está falando com entusiasmo e com ardor do dever de dar a vida pelos outros, quando imprevistamente se sente desfalecer. Há tempo apenas para dizer ao filho: `Pier Giorgio, agora continue você` e morre fulminado por um enfarte. O seu corpo transportado para a Itália repousa na Igreja de St. Ambrogio em Milão.

sdb.org